sábado, 14 de maio de 2011

MARIA GADÚ CHORA AO VER CAETANO VELOSO CANTAR Shimbalaiê

Gadú, esbanjando sinceridade, diz que a ficha ainda não caiu com o apadrinhamento do ídolo de muitos anos.

- Não caiu a ficha ainda. É esquisito. Há uma união muito mais abrangente. Há proximidade. E eu, a minha vida inteira, me espelhei no Caetano.

No começo da miniturnê, a cantora não tocava Shimbalaiê, seu maior sucesso, composta por ela quando tinha apenas dez anos de idade. Caetano resolveu, de surpresa, inclui-la no show de Belo Horizonte (MG). No DVD, Gadú se debulha em lágrimas ao vê-lo cantar o hit e explica o motivo:

- Não dá para descrever o que senti. Não pensei na hora. Foi só emoção. Não dá para dar sentido. Lembrei da infância ali na hora, quando eu fiz a música e estava despretensiosamente feliz.

Caetano também dá sua versão.

- Quando eu tinha a idade atual da Gadú, estava compondo Alegria Alegria. E Shimbalaiê é uma música emblemática dela. Pesou o fato de serem canções que têm muito apelo popular e temos carinho por ambas.




(...Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro
Que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso
Poder falar a verdade...)